O que é RAID e o que diferencia cada um deles? (Parte 1)

 > RAID  > O que é RAID e o que diferencia cada um deles? (Parte 1)

O que é RAID e o que diferencia cada um deles? (Parte 1)

No último post, explicamos que a tecnologia RAID (Redundant Array of  Independent Drives ou Matriz Redundante de Discos Independentes) é a responsável por conectar vários discos rígidos para criar um sistema único de armazenamento, o storage.

Agora, vamos detalhar como esses vários HDs podem ser conectados para trabalhar simultaneamente com o mesmo propósito. As formas de conexão entre eles são divididas em níveis de RAID que podem ir de 0 a 6. As variações ocorrem com dois propósitos bem claros:

 

  1. Aumentar a performance, dando mais velocidade ao disco;
  2. Proteger os dados armazenados, garantindo maior segurança ao disco e tolerância a falhas;

 

E não é necessário escolher apenas um deles. Há situações em que é possível fazer a associação entre formas distintas de RAID para potencializar os resultados. Para detalhar cada um dos tipos de RAID e suas associações, utilizamos como referência o livro “Storage Area Network for dummies.”

 

 

RAID 0

 

Também chamado de striping, o nível RAID 0 é indicado para quem busca performance e não disponibilidade. Isso porque os dados são divididos em blocos e têm sua carga e recuperação distribuídas entre os drives. Cada disco físico receberá um bloco do dado, que não será replicado em outros discos.

E por que essa técnica aumenta a performance? Pelo simples fato de que, quando é realizado um pedido de leitura/escrita do dado, esse processo é realizado em vários discos simultaneamente e não apenas em um, reduzindo o tempo de entrega da informação.

Funciona assim. Se você tiver que gravar a frase “O que é RAID?” em um sistema de storage RAID 0, o conteúdo será dividido em segmentos e armazenado sequencialmente em um disco físico distinto sem replicação (paridade).

Hipoteticamente, se o tempo de leitura da sequência “O que é RAID” em um único disco fosse de 4 segundos – 1 para cada palavra – , esse tempo seria reduzido para apenas 1 segundo no total, já que cada disco realizará a leitura simultaneamente trazendo a informação ao mesmo tempo.

A grande desvantagem é que, se o Disco 2 for comprometido e os dados armazenados ali corrompidos, as informações contidas nos demais discos perdem o sentido. Afinal, a frase “O que é RAID?” só é compreensível com todos os elementos e não apenas com parte deles.

 

 

RAID 1

 

A informação é gravada (igualmente) em pelo menos dois discos. É o chamado espelhamento de dados. Essa prática aumenta a confiabilidade frente ao RAID 0, mas reduz a velocidade de armazenamento já que, agora, todos os dados precisam ser replicados, pelo menos, em dois discos distintos.

A grande vantagem aqui é que se o Disco 2 apresentar qualquer problema, o Disco 1 pode substitui-lo, mantendo as operações. No entanto, se temos 2 discos de 1 Terabyte cada, o espaço total da unidade lógia permanece em 1Tb, já que o outro sempre será utilizado para espelhamento das informações.

 

 

RAID 2

 

Caiu em desuso porque tinha como premissa armazenar informações referentes a correção de erros. Atualmente, os discos rígidos já vem com essas correções incorporadas.

No próximo post, vamos falar de RAID 3 a 6 e as variações 0+1 e 1+0. Continue acompanhando o nosso blog para saber mais.

LB2
No Comments

Post a Comment

Comment
Name
Email
Website